Home | A igreja | Pastores | Metodismo | Ministérios | Congregação | Nossa Doutrina
   
Opções    
Últimos Eventos        
Notícias        
Galeria de Fotos        
Vídeos        
Bíblia On-line        
Mural de Recados        
Estudos Bíblicos        
Pedidos de Orações        
Fale Conosco        
 
Últimas Notícias    
 
-
 
 
Próximos Eventos    

CAMPANHA DO QUILO.
TODOS OS DOMINGOS É TEMPO DE OFERTAR OS SEUS QUILOS. EM ESPECIAL O SEGUNDO DOMINGO DE CADA MÊS. DOAR É UM GESTO DE AMOR! TEMOS CERTEZA DE QUE DEUS ESTÁ ABEÇOANDO O SEU CELEIRO. "porque, no meio de muita prova de tribulação, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade" (2 Co 8,2).

VEM AÍ O CAFÉ LITERÁRIO.
O Ministério de Ensino e Capacitação com este evento está dando início a Campanha de doação de livros, DVDs para nossa biblioteca.

ESCOLA BÍBLICA DE FÉRIAS TEMA: QUEM É JESUS? (Jo 14,6)
UM PROJETO DE EVANGELIAZAÇÃO E AÇÃO SOCIAL DE TODA A IGREJA DIAS: 29,30,31 DE JULHO. IGREJA, precisamos de voluntários e voluntárias para nos ajudar (controle dos banheiros e corredores, distribuição das refeições e kits, nos momentos de culto no templo, entrada e saída). DOE ALGUMAS HORAS DO SEU TEMPO. ESCOLHA UNS DOS DIAS DA EBF. VOCÊ É IMPORTANTE PARA QUE A NOSSA EBF ALCANCE O SEU OBJETIVO. PROCURE A ADRIANA OU FERNANDA para as incrinções.

TREINAMENTO DE DISCÍPULOS E MESTRES
É uma proposta de discipulado, a qual se estima formar uma igreja de discípulos, e não somente de membros. Além de ser uma estratégia multiplicadora, onde líderes e mestres serão levantados para gerar e capacitar novos/as discípulos/as, e conseqüentemente, discipuladores/as. Metodologia de Estudos Presencial: todas as terças-feiras, 19h30min às 21h30min; Educação por módulos; Duração: 9 (nove) meses. Público Alvo Preferencialmente, para líderes, membros da CLAM e obreiros com potencial e habilidades mestrais evidentes. Todos/as membros da Igreja estão convidados/as a fazer esse curso. Será muito bom para o seu crescimento espiritual e sua atuação no projeto de nossa igreja local. Investimento: R$ 25,00 por módulo, incluído o material didático. Inscrição: 01 a 15 de agosto de 2011 (trazer uma foto 3X4 no dia da aula inaugural), pelo email:discipulosemestres@yahoo.com.br Início do 1º Módulo: 16 de agosto (aula inaugural).


PEDIDOS DE ORAÇÃO:

1) A Pastora Marli solicita à igreja que esteja orando pelo curso de Discípulos e Mestres, que está na sua responsabilidade de organização para que Deus possa orientar todos os passos necessários para que este tempo seja bênção para a vida da Igreja. 2) Vamos intensificar nossa intercessão pelo 19º Concílio Geral para que os ouvidos estejam atentos no falar do SENHOR.

O Ministério de Ensino e Capacitação. Com este evento está dando início a Campanha de doação de livros, DVDs para nossa biblioteca.

ATENÇÃO JOVENS!
Participem da promoção Concorra à Bíblia de Estudo Plenitude para jovens SBB! É só nos seguir no twitter @metodista1re, criar uma frase sobre o pentecostes, usar a hashtag #TwittaçoDaPrimeira antes da sua frase e aguardar a divulgação dos ganhadores até o dia 23 de julho. Crie quantas frases quiser! Acompanhe a divulgação dos ganhadores no programa Vida & Missão, aos sábados, 10h, na CNT e também no site www.metodista-rio.org.br. Aumente suas chances de ganhar dando RT em nossos Tweets! (Transcrito do Avante On-line)

Agenda    
 
Enquete    
 

Você gostou do novo site de nossa igreja?

Sim Não

 
 
Localização    
 
Avenida Santa Cruz 1.203
Realengo - CEP : 21710-230
Tel.: 3332-8503
Fax: 3338-9833
 

Eu quero ficar sozinho

� cada vez maior o número de pessoas que vivem sós. Mas isso não significa necessariamente sofrimento. Conheça os segredos dos solitários que são felizes

Claudia Jordão e João Loes


No lugar das tradicionais e efusivas discussões familiares, o jantar é marcado pelo tilintar de apenas um par de talheres. Em vez de crianças eufóricas correndo pela casa, os corredores estão vazios e silenciosos. Antes de dormir, não há companhia para ver tevê. A tendência é mundial. Cada vez mais homens e mulheres moram sozinhos.

Na Inglaterra, o índice de domicílios habitados por uma única pessoa é de 30%. Nos Estados Unidos, alcança os 25% - em Nova York, a meca dos solteiros, mais da metade da população (50,6%) vive só. No Brasil, o número de indivíduos que moram sem companhia também aumenta a cada ano. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2008, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 11,6% dos brasileiros não dividem o teto com ninguém. Há dez anos, esse índice era de 8,4%.
Até recentemente, o "morar só" era inevitavelmente relacionado a "ser só". E essas pessoas, geralmente com problemas de relacionamento ou idosos, carregavam o estigma de isoladas e abandonadas. Hoje, essa condição virou um estilo de vida, graças a um boom de jovens que têm deixado a casa dos pais em busca das tão almejadas liberdade e autonomia. Segundo uma corrente de cientistas sociais com voz cada vez mais ativa, quem mora sozinho é menos solitário do que se supunha e desfruta da vida em comunidade. "Muitos são jovens independentes, que consideram isso uma conquista", diz o sociólogo e cientista político Antonio Flávio Testa, professor da Universidade de Brasília (UnB). "Eles batalharam para ter seu canto e não se sentem sozinhos porque têm o apoio de familiares e amigos."

Rotina A vida agitada das grandes cidades contribui para o desejo das pessoas de se isolar

A tendência começou a ser moldada há duas décadas na Europa. Naquela época, os países desenvolvidos registravam um aumento significativo na expectativa de vida de seus cidadãos. Com isso, os idosos passaram a ter uma vida autônoma. Na maioria das vezes, eram senhores (as) viúvos (as). O perfil desse morador está se transformando, especialmente nos grandes centros urbanos, onde é comum ver jovens independentes partindo para uma vida solo. Não é, necessariamente, uma condição definitiva.
Ao encontrar um parceiro, eles deixam para trás os dias de egoísmo, as vantagens de não ter de dar satisfação a ninguém e o conforto de ter uma casa só deles para dividir o espaço das escovas de dente e constituir família. No Brasil, a maioria dos moradores solitários continua sendo a população mais velha - 40% têm mais de 60 anos.
Mas as faixas etárias mais jovens estão ganhando espaço: 11,4% deles têm entre 20 e 29 anos e 13,2%, entre 30 e 39 anos. "O ato de morar sozinho, que outrora evocava debates sobre solidão, começa a ser associado a melhores condições de vida", analisa a socióloga Ana Lúcia Sabóia, do IBGE.
 

O empresário Célio Ashcar Jr. é um representante desta tendência. Aos 33 anos, ele vive só e feliz num apartamento no bairro da Vila Olímpia, zona sul de São Paulo. Até 2003, morava com o pai. Assim que se tornou sóciodiretor da agência de promoção e eventos na qual trabalhava, se sentiu seguro para partir para morar só. "Minha casa é meu templo, onde recarrego as energias e pesquiso referências para o meu trabalho", diz ele. Ashcar adora sua rotina, especialmente pela liberdade que conquistou. "Não tenho horário para chegar em casa, por isso seria impossível comparecer a jantares com hora marcada", diz.

Com uma maior inserção no mercado de trabalho, o contingente feminino também conquistou sua independência. Até alguns anos atrás, a mulher que morava sozinha era estigmatizada, carregava a pecha de mal-amada ou abandonada. "Hoje, aceitamos melhor quem faz essa opção", diz Henriette Morato, professora do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP). "� preciso se descobrir e curtir, antes de casar e engravidar. � uma fase muito importante."

A secretáriaexecutiva Juliana Melo, 29 anos, tem essa consciência. Aproveita a vida de solteira sem amarras e cuida da sua casa com prazer. Juliana deixou a casa dos pais para morar com amigas, há dez anos. Há um ano e meio, vive só num apartamento no bairro do Itaim, em São Paulo - a algumas quadras de seu trabalho. Isso lhe permite caminhar até lá, o que numa metrópole significa qualidade de vida. "Considero ter meu próprio espaço uma vitória", diz ela.

INTERNET Nello Sampaio: muitos amigos virtuais e poucos reais

De olho neste filão, as empresas investem no mercado single, como é chamado este nicho, sobretudo os setores de alimentos, imóveis e serviços. Até recentemente, os solteiros viam produtos estragar nas geladeiras, porque eram obrigados a comprar quantidades além do que seriam capazes de consumir. Hoje, é possível encontrar nas gôndolas de supermercados itens voltados para eles. São frutas, verduras e legumes lavados, cortados e dispostos em pequenas quantidades, caixas de ovos com seis unidades, porções de torradas embaladas duas em duas e pratos individuais congelados. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Alimentícias (Abia), o mercado single de alimentos começou a ser estimulado há uma década e, desde então, cresce de 6% a 7% ao ano.

Na área imobiliária, proliferam empreendimentos com serviços especiais. Em São Paulo, a Construtora Gafisa está erguendo o edifício Vision, no bairro do Campo Belo, que possui concierge, para quem não gosta ou não tem tempo de arrumar o apartamento, e serviços "pay-per-use", que oferecem "babá de cachorros", por exemplo, para quem está disposto a pagar uma taxa extra. O sucesso foi tanto que a empresa se prepara para lançar em breve um segundo empreendimento como esse.

Tese Para especialistas, a efervescência das metrópoles estimula a vida em comunidade
A vida agitada das metrópoles contribui para o desejo das pessoas de ficarem sós, de curtirem o silêncio de suas casas, de lidarem com os afazeres do seu próprio jeito. A psicóloga Henriette Morato acredita que é o excesso de relações pessoais que temos no dia a dia que exige um tempo para reavaliações. "Desde que acordamos, nos relacionamos com muita gente por obrigação, seja no elevador do prédio, seja na academia, no trabalho ou na faculdade", diz. "São todos contatos muito fluidos, que exigem de nós um tempo para digerí-los e assimilá-los até mesmo para nos reconhecer como indivíduos ou cidadãos." Segundo ela, o momento de solidão funciona como um mecanismo de defesa da pessoa, para que ela não se sinta diluída em meio a tanta informação e influência externa.

Os grandes centros urbanos sempre foram considerados os maiores vilões das relações interpessoais. Mas, agora, há uma corrente de pensadores que sustenta o oposto. Liderados pelo psicólogo americano John Cacioppo, diretor do Centro de Neurociência Cognitiva e Social da Universidade de Chicago e autor de uma série de estudos sobre o tema, um grupo de acadêmicos tem defendido que metrópoles do porte de Nova York, Tóquio e São Paulo não contribuem para o distanciamento de seus moradores. Pelo contrário, estimulam a vida em comunidade, graças à sua efervescência. "Não é o número de ssrelações pessoais, mas a qualidade delas, que determina se uma pessoa se sente ou não sozinha", disse Cacioppo à Isto�. "Então, não é o tamanho das cidades que importa, mas a maneira como cada um se relaciona com a sua vizinhança - e isso vai depender da personalidade de cada um."

Para defender esta tese, Cacioppo usa seu estudo de caso sobre a Grand Central Terminal, estação que integra trens metropolitanos e metrô em Nova York e é o maior terminal de trem do mundo em número de plataformas. Ele argumenta que a sensação ao chegar ao local é de que pessoas se deslocam solitárias na multidão. Como se cada uma seguisse seu caminho, no seu ritmo, com os seus pensamentos e alheia aos demais. No entanto, ao olharmos com mais atenção, percebemos interação entre elas. Há turistas pedindo para nova-iorquinos tirar fotos deles, amigos se encontrando, outros se despedindo. Para o psicólogo, que integra uma corrente evolucionista e acaba de publicar o estudo "Loneliness" (Solidão), nossa espécie não teria sobrevivido por tanto tempo sem o que chama de "instinto de cooperação social".

A gerente administrativa Susane Rabelo, 48 anos, é prova de que os contatos pessoais são fundamentais para sobreviver na cidade grande. Por causa da vida profissional, há 15 anos, ela deixou a família em Belo Horizonte, em Minas Gerais, para morar na capital paulista. Apaixonou-se e se casou na cidade.

NOVA VIDA Juliana Melo mora há um ano e meio sozinha: "� uma vitória", afirma
A união durou 12 anos e, desde 2005, mora sozinha. Ou melhor, na companhia de Billie Holiday - cadela que ela herdou com o fim do casamento sem filhos. Susane conta que só suportou a ausência da família, especialmente na fase do divórcio, graças aos fortes laços de amizade que construiu em São Paulo. Ela tem seis grandes amigos - uma comprovação da tese de que metrópoles podem aproximar solitários e estimular comunidades. "Como boa mineira que sou, gosto de receber em casa, nem que seja para um café", diz ela.

Na era da internet, as relações virtuais ganharam espaço. Mas nem sempre ter uma imensa quantidade de amigos na rede significa se sentir acolhido e amparado. Dono de uma casa noturna na Barra da Tijuca, o empresário angolano Ermenegildo Nello Sampaio, radicado no Rio de Janeiro, parece enturmado à primeira vista. Graças à sua sociabilidade, todas as sextas-feiras e sábados, ele consegue lotar sua casa noturna com capa cidade para 350 pessoas. Sua lista de contatos no comunicador instantâneo MSN soma 250 pessoas e na rede social Orkut, 200. "Tenho muitos colegas, aos quais me refiro como 'amigos da noite'", diz ele. "Amigo de verdade, tenho apenas um, que nem sempre está presente.
 

Total de visitas: 62476
Visitantes hoje: 4
  home